Accept

We use cookies in order to save your preferences so we can provide a feature-rich, personalized website experience. We also use functionality from third-party vendors who may add additional cookies of their own (e.g. Analytics, Maps, Chat, etc). Read more about cookies in our Privacy Policy and Terms of Service. If you do not accept our use of Cookies, please do not use the website.

Header Image

Confio, 2016

A presidenta Dilma Rousseff não cometeu crime de responsabilidade. A grande maioria dos políticos que a julgaram são processados por crimes que lesam a sociedade, assim como são citados várias vezes por delatores da maior investigação contra corrupção da história do Brasil. A presidenta não foi citada uma única vez. Sim, há um golpe em curso no Brasil!Gravações divulgadas posteriormente à votação do impeachment no Congresso mostraram claramente uma articulação de políticos ligados à base do governo (traidores) e à base oposicionista de direita para um “um pacto nacional”, visando depor do poder a presidenta eleita democraticamente. Gravações que mostravam o próprio vice-presidente, em maquiavélico gesto de traição política, construindo a “solução Temer” para dar um golpe na presidenta e paralisar as investigações de corrupção envolvendo ele próprio e seus aliados.*As eleições de 2014 dividiram o país e, em maio de 2015 iniciou-se o processo de impeachment, que que culmina agora em agosto de 2016 com as forças políticas derrotadas nas urnas. Golpe consumado. Importante pontuar que especialistas, técnicos e o próprio judiciário admitem que não houve crime de responsabilidade fiscal, e que esse é um processo puramente político. Portanto um golpe explicitamente jurídico-midiático, um golpe branco que prescindiu das armas e do exército para afastar um presidente legitimamente eleito no meio do seu mandato. A legitimação e aceitação da maior parte dos governos internacionais em relação ao golpe coloca em desafio a noção de democracia e faz-nos perguntar que nova estruturação geopolítica começa a surgir. Já tivemos na América Latina o precedente do Paraguai, o precedente de Honduras e agora vemos essas perspectivas em um país com uma liderança regional e internacional maior como o Brasil. A questão atual que se coloca é: como estes golpes brancos, em que o Poder Judiciário e a grande mídia substituem a intervenção militar direta, podem reconfigurar o mundo num sentido ainda mais autoritário, conservador e excludente? Em um capitalismo cognitivo nada mais natural que a tomada do poder seja a força da percepção e da legalidade fictícia. Quais são os futuros da Democracia quando legitimada por um Poder Judiciário muitas vezes tendente à direita, às ideias conservadoras e antidemocráticas?  *https://theintercept.com/2016/05/23/novo-abalo-politico-no-brasil-e-hora-da-midia-comecar-a-dizer-golpe/

 


 


 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 


 

CONFIO 
Em Brasília, durante o processo de votação do impeachment da presidente Dilma Roussef, foi instalado um muro dividindo opositores. Esta divisória ficou conhecida como o Muro da Vergonha. A ação CONFIO, um telefone de copos com fio que ligava as duas partes com o muro no meio, propõe um diálogo entre as partes. O fio passa entre as placas do muro. Um copo amarelo, outro vermelho. Com Daniel Lima e Élida Lima.

 


RESOURCES
pdf KALTER PUTSCH web
pdf GOLPE BRANCO 21 WEB
pdf The White Coup 8